Ligações – Resenha

Ligações (Landline) é mais um título de Rainbow Rowell que vou resenhar para vocês. Foi o último livro da autora publicado no Brasil pela editora Novo Século e vencedor do título de melhor ficção de 2014 pelo Goodreads 

Ligações foi uma leitura tão amável que avaliei no Skoob com 5 estrelas e favoritei (★★★★★) + ❤


Georgie McCool é casada com Neal e tem duas filhas, Alice e Noomi. Além disso, ela é uma workaholic. Sua função no trabalho consiste em escrever roteiros para um programa de comédia junto com seu melhor amigo, Seth.

Está tudo certo para a viagem de Natal a Omaha, para a casa da mãe de Neal, até que surge uma proposta irrecusável no trabalho e Georgie decide passar todo o feriado trabalhando nela.

Entretanto, ela percebe que pode ter colocado seu casamento a perder quando mesmo assim Neal, claramente chateado, decide embarcar na viagem com Alice e Noomi para o feriado.

Georgie, então, passa os dias consecutivos tentando contatar Neal, sem sucesso. Toda vez que o celular é atendido por alguém do outro lado da linha são suas filhas ou Margareth, sua sogra, que o fazem. Neal, no entanto, nunca se encontra e está sempre esquecendo o celular ao sair.

 

Com a possibilidade de ter sido abandonada por Neal, Georgie fica melancólica e não consegue nem pisar dentro de sua própria casa para buscar mudas de roupa. Assim, a protagonista resolve passar os dias, os quais sua família estará fora, na casa de sua mãe, onde vivem também seu padrasto e Heather, sua meia irmã.

É quando chega na casa de sua mãe que Georgie é tomada por toda a atmosfera nostálgica entranhada em seu quarto de infância. Em cima de um criado mudo, ela encontra seu antigo telefone amarelo, que desvenda ser uma maneira de se comunicar com o passado, ou melhor, com o Neal de 19 anos atrás.

Landline

Com a nova descoberta, Georgie se depara com o dilema de tentar usar essa dádiva de Natal para salvar seu casamento ou tentar poupar o Neal do passado ao prevení-lo de se casar com ela mesma.

O livro aborda temas sobre relacionamentos e os cuidados que eles demandam. Por toda a obra, Rainbow reflete sobre o casamento, mas também da relação com pais, filhos, irmãos e amigos. De forma realista, a autora lembra que relacionamentos exigem cultivo e entusiasmo de ambos os lados para perdurar.

Só porque você ama uma pessoa, isso não significa que as suas vidas vão combinar. […]

A vida de ninguém combina. Combinar é algo em que se trabalha. É algo que você faz acontecer. Porque ama o outro.” Página 170

A autora, no entanto, se concentra nos desafios do casamento e no drama do divórcio como um rompimento de um vínculo, a perda de uma extensão de si mesmo.

“Quando Georgie pensava em divórcio agora, imaginava-se deitada ao lado de Neal em duas mesas de cirurgia enquanto uma equipe de médicos tentava desenlaçar seus sistemas vasculares[…] mudaria a ela, em um nível celular. Como um vírus que reescreve o seu DNA.” Página 204

Landline

“Vocês estão jogando uma bola um para o outro, e você torce pra que ela não caia nunca. E não tem nada a ver com vocês se amarem ou não. Se não se amassem, não estariam nesse jogo imbecil com a bola. Vocês se amam… e torcem pra que consigam não deixar a bola cair.” Página 206

Além de tratar sobre um tema super delicado, a autora buscou fugir do convencional acrescentando um singelo toque de fantasia em um livro adulto. Particularmente, adoro histórias que envolvem viagens no tempo e o livro tem um desfecho super interessante. Apesar de se tratar de um new adult, Ligações tem uma linguagem leve e descontraída, que facilita a leitura a todo o público.

Já leu ou ficou com vontade de ler? Conta nos comentários 😉